top of page

Outras Águas



Estava pensando que uma das coisas que têm sido fortes em mim agora é o tema da água. Mas percebi: "Que mentira! Sempre foi, não é agora".


Quem me conhece de perto sabe o quanto o contato com a água é, para mim, importante. O quanto amo nadar. O quanto gosto do mar. O quanto o banho quente é essencial pro meu relaxamento. Na ansiedade, água gelada é tão indesejada quanto bem-vinda: acalma.


Quando mais jovem, eu me atirava em mares mais agitados. Com o passar da idade, prefiro águas calmas. Literal e metaforicamente. De toda forma, antes ou depois, sempre preferi onde desse pra ver algo do fundo, alguma transparência. Porque o fundo profundo escuro, mesmo que eu saiba nadar, me causa imensa agonia. Fico esperando o momento em que vai surgir o grande monstro, e me puxar para o nada. E se for em represa, fico imaginando esquistossomose. É assim. É de lesmas e monstros às vezes o pensamento.


E transparência é tão importante pra mim quanto água.


Em 2019 eu estava voltando a ter cada vez mais ritmo e fôlego nadando, talvez na minha melhor forma aquática de todos os tempos - nado desde criança -, e coloquei uma meta de em breve buscar algum grupo para pequenas travessias marítimas. Precisaria treinar para que fosse possível, claro, se fosse possível. No ano seguinte, veio o maremoto. A pandemia. O local onde eu nadava fechou, depois não tive mais acesso, e as prioridades mudaram muito. E de lá pra cá o corpo mudou um bocado também.


Tenho visto virtualmente o mar, pessoas surfando, cruzando o mar à vela, windsurf, uns mergulhos, umas baleias, e também navegantes perdidos, em perigo e tsunamis.


Sempre penso no mar. Sempre penso na água. Sonho que nado. Às vezes sonho que quase me afogo. Literal e metaforicamente. A água me faz tanta falta que às vezes é difícil respirar. Voltarei a ela em breve, sem contar o tempo, porque este, assim como o mar, já sabemos, não é exato, não se controla nem calcula. Morarei perto das águas calmas. E da terra, e das galinhas. Mas este já é outro assunto.


Pintar o mar é clichê, mas água, assim como terra, fogo e ar, nunca sairão de moda. A água será tema frequente nos próximos tempos. E nos passados. Verão.

Kommentare


bottom of page